Na panóplia de componentes e acessórios que podem compor um circuito de arrefecimento líquido nesse sítio aparentemente ilógico que é um computador, existem apenas dois que trabalham directamente com o tema do calor, mais exactamente com o seu transporte: do meio sólido do silício para o líquido temos o bloco e do meio líquido para o gasoso temos o radiador. Vamos falar de blocos.

Entre a nossa oferta, ainda em expansão, temos um número de blocos para CPU e gráfica de vários fabricantes e áreas geográficas de proveniência. No tempo em que abundam online componentes chineses para arrefecimento líquido a preços que são literalmente bons demais para serem verdade, torna-se fundamental compreender riscos e consequências. Principalmente nos blocos, os componentes mais restritivos ao fluxo da água e onde as pressões e dinâmicas térmicas colocam à prova a longevidade dos vedantes e a resistência dos plásticos, ligas metálicas e os seus tratamentos. Corrosão, fissuras e eventualmente derrames de líquido conductor de electricidade são inevitáveis quando se poupa na farinha para gastar nos farelos, e a factura em material de classe entusiasta pode ser dramática ao ponto de nunca mais se querer sequer pensar em arrefecimento líquido, customizado ou em kit fechado.

É aí que entramos nós e o nosso portfolio, lembrando que não há produtos isentos de falhas, apenas engenharia e controlo de qualidade de muitos níveis diferentes! Vamos começar por Taiwan, de onde o grosso da electrónica de topo tem vindo nas últimas décadas.

PHANTEKS

A Phanteks, conhecida pelos seus excelentes coolers a ar, ventoinhas e ultimamente pelas fantásticas caixas que montamos cá na Globaldata com imenso prazer, está recentemente no mercado de watercooling com uma gama muito interessante de soluções. Por exemplo os vedantes são em Viton, uma borracha sintética de alta densidade de aplicação laboratorial, industrial e aeroespacial, com características de durabilidade e resistência à corrosão que a fazem um bem vindo exagero de segurança para a saúde dos componentes dos nossos sistemas. O peso é bastante substancial e reflexo das generosas quantidades de cobre empregadas nas bases, com um elevado nível de acabamento em níquel. Nos blocos para CPU contamos também com duas mini-fitas LED RGB compatíveis com as motherboards ASUS, MSI e Gigabyte. Ou seja costumização luminosa sem controladores USB ou comandos à distância!

Quanto à sua arquitectura os blocos da Phanteks destacam-se por baixa restrição, passagem de fluido simples mas de excelentes resultados, dado fabrico a partir de blocos sólidos de cobre. São de salientar os 5 anos de garantia para os blocos de gráfica e também as embalagens muito bem elaboradas, a nível da protecção dos componentes e da documentação fornecida, bastante acima da média. Sem dúvida uma marca bem vinda a este nicho de mercado.

DSC_1847

AQUA COMPUTER

Dos novatos asiáticos passamos para um player que é quase sinónimo de watercooling com a Aqua Computer e o seu fabuloso Kryos NEXT VARIO Vision. Disponível em inúmeras variações de topo, base e extras (incluíndo base em prata e um sistema de telemetria embutido com ecrã OLED), temos presente a versão em cobre VARIO Vision.

De arquitectura de jacto laminar e uma restrição elevada de alta performance, este extraordinário bloco possui nos lados 4 parafusos cónicos que deformam controladamente a sua base EM FUNCIONAMENTO, permitindo encontrar o contacto perfeito com o heatspreader do CPU independentemente da família e fabricante. Como se não bastasse essa função exclusiva, temos adicionalmente o fabuloso sistema VISION, composto por um diminuto ecrã OLED 128×64, um sensor de temperatura e microcontrolador no bloco, alimentado por uma ligação USB interna 2.0 que também permite comunicação e modificação dos elemento no ecrã através do software da Aqua Computer. Um bloco de fazer salivar o entusiasta do arrefecimento líquido!

DSC_1841

DSC_2158

XSPC

Da marca britânica XSPC contamos com o já clássico Raystorm Pro, outro bloco de jacto laminar a pedir uma bomba com bons números de pressão. Construído em cobre à excepção da lâmina em aço, traz um topo em alumíno e plástico com perfuração para um LED de 3mm em cada lado. Os incluídos são azuis, alimentados por uma ficha molex. Com um preço muito competitivo, aspecto distinto e chamativo e resultados comprovados, é uma excelente opção para um loop eficaz e fiável.

DSC_1844

EK

Chegamos por fim à EK, a firma eslovena de referência no mercado mundial de arrefecimento líquido. Conhecida por uma oferta totalmente abrangente em componentes e acessórios, é no Supremacy Evo que estão todos os ases da marca. Disponível em múltiplas opções de topo e a mesma base em cobre, traz na caixa 2 ante-câmaras em plástico e 3 lâminas em aço, possibilitando o ajuste da performance do jacto laminar à dimensão do die do CPU entre famílias e fabricantes. Competitivo em desempenho e custo, é mais um produto EK que o fan de watercooling não pode ignorar.

ek-bloco

Impossível contudo é fazê-lo com os fabulosos monoblocos, massivas bases de cobre desenhadas à medida de famílias específicas de motherboard (muita atenção à lista de compatibilidade!), oferecendo numa assentada só o arrefecimento do CPU e dos reguladores de voltagem à sua volta. Sendo os VRM notórios pelo calor que produzem, principalmente em overclocking, o monobloco é um bilhete em primeira classe para frequências mais altas em estabilidade e fiabilidade acrescida. A esta proposta quase irresistível, que só peca pelo limitado potencial de reaproveitamento em caso de upgrade de sistema, temos os logos do fabricante da motherboard cortado a laser e iluminação RGB com ligação directa, garantindo completamente que o build não vai passar despercebido!

Deixo também um destaque para as opções de blocos para gráfica fullcover da Phanteks e EK, também productos específicos para listas reduzidas de modelos dentro de cada marca. À excepção de um par de modelos muito exclusivos de alguns fabricantes, pré-montados com blocos e exigindo um sistema de watercooling para funcionarem (mais do que uns minutos de cada vez), a substituição do sistema de arrefecimento a ar de origem por um fullcover traz não apenas temperaturas de funcionamento por menos da metade e/ou silêncio, mas infelizmente a perda da garantia: uma escolha que é preciso ter presente. Difícil também é ignorar a gravidade, já que estes blocos são frequentemente muito pesados e grandes, colocando enorme força no conector PCIE da motherboard. Felizmente alguns fabricantes de caixas já permitem resolver este problema em estilo, através da montagem paralela à motherboard e conectores riser: win-win!

Poderá ver um pouco mais dos blocos acima mencionados no seguinte vídeo:

About the author

Related

Comente este post!